Onde estão nossos sapatos?

No Comments »

Encontrar sapatos masculinos no Brasil é uma tarefa para lá de complicada. Das duas uma: ou o design é horrível, muitas vezes próximo ao de um calçado ortopédico ou os preços são exorbitantes, caso dos itens de grifes estrangeiras instaladas no país. Esta realidade acaba nos forçando a nos contentar com produtos cafonas e nem sempre baratos ou a fazer compras fora do país (o que antigamente era um luxo e hoje em dia está se tornando cada vez mais comum).

De tão feio chega a ser indescritível!

Estou certo de que existe uma forte demanda, por parte do homem brasileiro, por um sapato moderno e até certo ponto acessível. O que acontece é este tipo de produto é artigo raro, para não dizer quase inexistente - no mercado nacional. Certa vez fui em busca de um e acabei me frustando. Rodei por várias lojas e o tudo o que encontrei foram pares e mais pares pretos e marrons, de bico quadrado e gosto duvidoso, para dizer o mínimo.

Quando são elas a procurar por um sapato bonito e a preços razoáveis, a história é bem diferente. Diversas marcas nacionais focadas no público feminino oferecem este tipo de produto. Arezzo, Corello e Santa Lolla são apenas alguns exemplos. Não dá pra negar que mulher consome muito mais moda do que homem, mas será que não está mais do que na hora de os empresários brasileiros voltarem seus olhos - e seus investimentos - para atender o filão dos sapatos masculinos bonitos e de bom design?

Enquanto esta nossa carência não é suprida, o jeito é continuar procurando. Só não me perguntem onde comprar sapatos sociais no Brasil: infelizmente não vou saber responder. Talvez até exista uma ou outra marca com produtos interessantes, mas sinceramente não as conheço. E olha que eu procuro bastante.


Para ser bonito precisa custar uma fortuna?



O total preto

No Comments »





































O look total preto é sempre uma boa alternativa, seja para criar um visual mais sóbrio e elegante, seja para ocasiões em que estamos mais fechados e desejamos expressar nossos sentimentos através daquilo que vestimos. As roupas falam por si só e isso pode e deve nos aliar a moldar nossa imagem para que possamos atingir nossos objetivos.

Vestir-se inteiramente de preto é um símbolo, um sinal de introspecção, de neutralidade, de glamour minimalista. Quando não quero usar cores por qualquer motivo que seja ou simplesmente quando busco um visual que afirme segurança, visto-me inteiro de preto. Não tem a ver necessariamente com luto, mas com respeito, com o peso do preto na composição de um visual que diz a que veio.































O preto é marcante. Ele não espera acontecer e não dá margem a erro. Impõem-se logo de cara e é por isso que deve estar sempre presente em nosso guarda-roupa. Além do mais, funciona como cor-chave, nos auxiliando a combinar peças de tons berrantes, como amarelo, laranja ou rosa.

Em suma, use e abuse do preto. Por que? Porque você quer mostrar que tem domínio sobre seu corpo e suas formas. Porque você quer parecer mais magro. Porque tem dia em que tudo o que a gente quer é se neutralizar sem perder a classe. Porque você quer estar no controle, ou pelo menos transmitir esta sensação.


Jaqueta de couro: statement de elegância com atitude

Look total preto esportivo

Elegância pura! Adorei a calça e o jogo de proporções!

Novamente a jaqueta de couro

Mais uma jaqueta de couro em look total black! Notem o contraste criado a partir do tênis branco

Chique define

Ousadia inspirada no visual dos antigos samurais

As mil faces do camaleão David Bowie

No Comments »





































Um artista que, ao longo de quase 50 anos de carreira, continua influenciando gerações é um caso raro. É preciso muito talento para se tornar referência não só em sua área de atuação como também em outras correlatas. Com sua estética criativa e sua androginia subversiva, David Bowie transformou-se em um dos grandes ícones da cultura no mundo. Além de servir como referência para bandas e músicos em geral, o cantor inglês inspirou - e ainda inspira - muita gente que trabalha com a, digamos assim, economia criativa.


Estilistas, designers, artistas gráficos, fotógrafos. Esses são só alguns dos profissionais que beberam da fonte repleta de referências na qual se constitui a carreira de David Bowie. Ao longo dos anos, ele soube aliar qualidade sonora à uma imagem de vanguarda, sempre contestadora e provocativa. Enquanto suas músicas imprimiam sua personalidade forte, conquistando o público e a crítica, sua aparência nada convencional ajudava a construir o ícone no qual ele se tornou.

Capa da Vogue inspirada na estética de Bowie













































Suas roupas, seus cortes de cabelo, suas maquiagens...tudo nele exala uma atmosfera à frente de seu tempo. Tanto é que, recentemente, o museu londrino Victoria & Albert dedicou-lhe uma elogiada exposição. Ao retratar as cinco décadas de carreira de Bowie, o V&A dedicou-lhe merecido tributo, ao passo em que ofereceu a oportunidade de se mergulhar no universo criativo do artista.

Conhecido por canções como Heroes, China Girl e Let's Dance, o inglês com certeza já fez parte trilha sonora da vida de todos nós. Após uma década sem lançar um disco novo, ele voltou a chacoalhar o universo musical com o álbum The Next Day, lançado no começo do ano passado. O trabalho, que retoma a carreira de um dos mais brilhantes artistas da atualidade, é um retorno memorável para que sempre será conhecido como o camaleão do rock.

PS:  se você, assim como eu, não estava em Londres à época da exposição, não se desespere. A retrospectiva sobre a carreira de David Bowie chega ao MIS, em São Paulo, no dia 31 de janeiro deste ano. Programa imperdível.

Seus cortes e cores de cabelo sempre chamaram a atenção

Foto de capa de um de seus mais famosos álbuns, "Heroes"
A revista inglesa I-D traz montagem com a várias facetas do artista

Na capa da revista Rolling Stone

Capa do disco "Low", um marco da carreira de David Bowie

Em foto recente, notamos um visual mais "comportado", mas que não deixa de ser moderno
Interior da exposição realizada no museu Victoria & Albert